Loading...
Início2018-10-18T19:48:25+00:00

A instituição O Consolador atua em Maceió desde a década de 40. A ONG desenvolve ações nas áreas de educação, esporte, cultura, assistência social, formação de professores, qualificação social e profissional de jovens e mulheres. Em 2012, a Petrobras implantou em sete estados o projeto de Centro de Referência Esportivo (CRE), e em Alagoas a ONG foi selecionada para a implantação do CRE/AL.

Em 2016, as atividades do CRE/AL foram pausadas. De volta, o CRE/AL ampliará o atendimento para mais cidades e beneficiará 1860 crianças, adolescentes e jovens, além de formar mais 100 professores nos princípios do Esporte Educacional.

Homenagem a todas as mães da instituição

Semana especial no Consolador em homenagem a todas as mães participantes da instituição. O amor e a gratidão foram os sentimentos despertados durante as atividades realizadas. Tivemos café coletivo, doação de alimentos, lanches e a [...]

18/09/2018 – Alunos do Projeto “Esporte que Transforma assistem à peça Mágico de Oz – O Musical
Boletim Informativo – Quadrimestral
18/09/2018 – “Esporte que Transforma” realiza Trilha e Caminhada Ecológica neste fim de semana

Centro de Referência Esportiva de Alagoas

Projeto Criança Integrada

Projeto Tri-Criança

AMARELINHOS DE SUCESSO

Iasmyn foi aluna de alguns cursos oferecidos gratuitamente por O Consolador. Em 2009, ela foi uma das alunas da capacitação para Office Girl e Informática. Em 2010, ela foi contratada pela Organização para ser agente de desenvolvimento. “Eu construía as planilhas com o nome das crianças. Elaborava as listas de chamadas, visitava os lares e exercia algumas atividades administrativas. Com essas experiências, fui convidada para fazer parte da equipe de um escritório de contabilidade, onde me tornei auxiliar de escritório”, recordou.

Hoje, a ex-aluna está com a matrícula trancada na Faculdade Integrada Tiradentes (Fits) por estar em licença maternidade. Após o período, ela retornará ao curso de Fisioterapia e às atividades do escritório de contabilidade.

“Crianças, atentem ao que vocês aprendem aqui. Tudo será decisivo para a sua vida”, aconselhou Iasmyn.

Iasmyn Monyk Alves Calixto

Querida pela equipe que compõe O Consolador, Amanda esteve matriculada quando tinha apenas 11 anos e continuou envolvida com a Organização até encontrar seu primeiro emprego em uma barraca de tapioca na orla da Praia de Ponta Verde. “Eu corria, nadava, pedalava. Construí muitas amizades e fiz parte também do quadro de funcionários da Ong. Aprendi muito”, lembrou emocionada.

Mas a vida profissional de Amanda não terminou aí. Ela foi estagiária de um salão de beleza após participar de um curso na área oferecido gratuitamente por O Consolador. Não conformada, ela conseguiu estudar balé e encontrar uma escola para ser auxiliar de sala. Em pouco tempo, Amanda conseguiu ter sua própria turma.
Hoje, Amanda trabalha na Escola Maria de Fátima, situada no bairro de Ponta Grossa, e estuda a distância Serviço Social na Universidade Norte do Paraná.

“Se vocês têm um sonho, vão em frente. Porque vocês vão conseguir. Eu sempre quis ser assistente social. Já estou na faculdade e, em breve, ajudando a mais pessoas a escreverem sua feliz história”, disse Amanda.

Amanda Thaís Torres de Noronha

DEPOIMENTOS

Tenho dois filhos no projeto Tri-Criança e desde que eles ingressaram no O Consolador muita coisa mudou. O comportamento deles ficou melhor e eles tem se desenvolvido para o esporte. Um dos meus filhos já ganhou várias medalhas e diz que quer ser atleta. Para uma mãe, saber que seu filho está desenvolvendo para o bem, nos tempos de hoje, onde a violência impera, é uma vitória. E tudo isso, só acontece graças ao que o projeto tem feito na nossa cidade. Só temos a agradecer.

Elba Márcia da Cruz, Dona de casa - Pilar

Conheci o trabalho do O Consolador através dos amarelinhos que passavam de bicicleta pela rua. Aquelas crianças me chamaram a atenção e me fizeram sentir vontade de conhecer o projeto. Ao saber das ações que eles faziam nas comunidades carentes de Maceió, passei a admirá-los e entender a necessidade de ajudá-los. Tanto que um dia resolvi doar uma bicicleta que tinha em casa e não usava mais, sei que é pouco, mais acredito que se agirmos todos juntos, poderemos fazer a diferença.

Maria Edneide da Silva Gomes, Servidora pública – Maceió

Como ajudar?

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipisicing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut ero labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco.

Apadrinhar
Doações