Comunidade foi conscientizada sobre a importância do enfrentamento a violência contra a mulher

O Agosto Lilás marcou presença durante do o mês no projeto Esporte que Transforma, durante os encontros com os pais em uma ação em parceria com a Superintendência de Políticas Públicas para Mulher, da Secretaria de Estado da Mulher e Direitos Humanos, as mães e também os pais dos alunos do projeto tiveram oportunidade de conhecer a importância do enfrentamento a violência contra a mulher.

Nas reuniões os presentes foram convidados a questionar os papéis socialmente estabelecidos para homens e mulheres. Conceitos que muitas vezes são usados para justificar a agressividade masculina e seus atos. “Infelizmente isso é muito culpa do machismo que existe porque a criança pode brincar do que ela quiser, o problema são os pais que querem impor isso” afirmou uma mãe presente.

Os pais também conheceram os princípios do Feminismo, assim conseguiram entender que o termo muitas vezes carregado de tabus, nada mais é que um movimento social contra o machismo. “É muito importante fala isso porque tem muita gente que acha que é a mesma coisa, eu mesma em parte achava isso” revelou uma outra mãe.

Em todos os encontros realizados nas seis cidades alagoanas em que o projeto Esporte que Transforma atua, os pais conheceram os canais de denúncia e órgãos de apoio para o combate e prevenção da violência, sendo eles o número 180 para denúncias específicas, 190 da polícia, Patrulha Maria da Penha, Centro Especializado de Apoio à Mulher.

Os canais apresentados para proteção e todo o bate papo apresentado nas reuniões trouxeram para as mulheres a sensação de mudança no amparo das vítimas de violência. “Fico feliz de saber que existem tantas coisas para fazer a Maria da Penha valer, antigamente nem com a polícia podíamos contar direito”, comemorou outra mulher.

O Assistente Social do Projeto Esporte que Transforma, Felipe Leonardo, enfatiza que o projeto também pode ser um canal de apoio na articulação com essas políticas. Vale também lembrar que mesmo depois do Agosto Lilás os canais de apoio e denúncia estão sempre abertos para a comunidade que precisar.